sexta-feira, maio 07, 2010


Sem análises mais aprofundadas em estudos e pesquisas hoje meu tema é como as redes sociais personificam as relações da “vida real”.
Eu vejo diversas pessoas no twitter apelando para serem seguidas, outras, no Orkut, adicionando pessoas que não conhecem, ou jogando o “jogo do add”.
Gostaria de perguntar para elas se já viveram algumas das seguintes situações:

***
NA FILA DA PADARIA, 7H30 DA MANHÃ:
- Oi! Meu nome é Patchysinhah toma meu cartão, quer ser meu amiguxo?

NO SUPERMERCADO, PRATELEIRA DE ÓLEOS, AZEITES E DERIVADOS:
- Sabia que eu estou te seguindo desde que você saiu de casa? É. Agora, você poderia me seguir também? Pois, se você não seguir, tudo bem. Eu não te sigo mais. Vou utilizar algum aplicativo e ganhar muitos, mas muitos seguidores.

***

Pois é. Imagino se alguma dessas pessoas com dezenas ou milhares de amigos nas redes sociais, tem tempo para ter amigos fora da rede virtual. Ou na vida real, têm tantos amigos quanto na virtual. Acho que não. É impossível. Amigos são raros. E a grande maioria da pessoas sabe disso, o que acaba banalizando o significado da palavra amizade. O que acaba suprindo a carência de muitos. São infindáveis reflexões.
O advento Black Berry e a disseminação do 3G fizeram com que algumas pessoas pudessem conciliar as postagens virtuais com a vivencia momentânea, para assim, compartilhar mensagens instantâneas de qualquer lugar. Mas francamente, será que elas estão de fato no lugar? Ou com a cabeça no mundo virtual?


Essa realidade ainda me assusta, mas em pouco tempo devo me acostumar.

Ah! Por falar nisso, meu twitter é @anandhac.
;)

2 comentários:

Gildcley LUIZ MENDES disse...

Blz, vou te seguir...@gilLUIZMENDES

maybe disse...

like ur writing style..it's the real deal. just keep on writing...